voltar...


Unimed Sergipe (SE)




Sergipe somente veio a ter a sua Unimed em 1984, dezessete anos após a fundação da Singular de Santos, graças à garra e à dedicação do médico Aílton Pita Falcão. Lutando contra a oposição de alguns e a indiferença de muitos, Pita, à época com 34 anos de idade, conseguiu o seu intento, reunindo mais 19 médicos e promovendo a Assembléia Geral de fundação da Unimed Aracaju, em 17 de janeiro de 1984.

Vinte pessoas era o número exigido para se criar uma cooperativa e naquela memorável noite, na sede da Sociedade Médica de Sergipe (Somese), seus fundadores assinaram a histórica ata. Registre-se um fato notável: a presença de dois médicos consagrados, professores da Faculdade de Medicina, que acreditaram nas idéias do cooperativismo e emprestaram os seus nomes para o prestígio da entidade. São eles Antonio Garcia Filho e José Maria Rodrigues Santos.


A presença deles nesse movimento, entretanto, não era de se surpreender. Garcia e Zé Maria sempre tiveram posições de vanguarda na sociedade médica de Sergipe. A participação dos dois no grupo fundador, sem dúvida, reforçou a criação da Singular. Mesmo assim, os dias que se seguiram não foram fáceis.

Após ser lido, o anteprojeto do Estatuto Social foi aprovado por unanimidade, nascendo a partir daquele instante uma nova instituição de médicos no Estado: a Unimed Aracaju. Em seguida, foi eleita a primeira diretoria executiva. Como presidente Ailton Pita Falcão; vice-presidente, José Carlos Mota; e, como superintendente, Edney Freire Caetano. Foram nomeados ainda como vogais do Conselho de Administração os cooperados Marcos Aurélio Prado Dias, Jaílson Santana de Oliveira, Antonio Franco Cabral, Gervásio Monteiro e José Job de Carvalho.


Em outra assembléia – já com 33 médicos cooperados - os presentes souberam da grande dificuldade em credenciar clínicas, laboratórios e hospitais, e, notadamente, serviços de radiologia, em função das tabelas de preço oferecidas. A maior parte dos serviços de saúde só aceitava firmar convênios se a Unimed remunerasse igual à “tabela da Petrobras”.

Como prova de confiança e apoio à instituição que estava começando, a Clínica Renascença, a Uniclínica, a Climedi, a Prontoclínica, o Labopec e a Anaclin aceitaram trabalhar com valores menores. Mas faltava ainda um serviço de Raios-X e a Clínica Radiológica Cliras “bateu o martelo”. Aceitava a remuneração, mas iria propor à Sociedade Sergipana de Radiologia que aprovasse a medida, o que de fato aconteceu.

O funcionamento de um plano de saúde - segmento na época totalmente sem regulação nas mãos de tradicionais operadoras, medicinas de grupo e seguradoras - era tema árido para os que nele se embrenhavam. Partindo dessa necessidade, o presidente Pita contratou uma pessoa para dar início ao processo de recrutamento de profissionais. Assim, Hélia de Melo Fontes se tornou a primeira funcionária da Unimed Aracaju.

A Singular contava com pouco mais de 100 clientes e 52 cooperados. A primeira empresa local a contratá-la foi a Schahin Cury e, por meio de Intercâmbio, passou a atender usuários da Fundação Chesf e do Banco Bamerindus, clientes da Unimed de João Pessoa. E, em 19 de novembro de 1984, começava de fato a funcionar a cooperativa dos sergipanos, com uma sala, um telefone, um funcionário, um abnegado dirigente e um futuro assustador pela frente.

Quatorze meses após a fundação, a Unimed contava com 64 cooperados. Em 1986, foi aprovado o início da comercialização dos planos particulares e o primeiro cliente “pessoa física” da Unimed Aracaju foi a Sra. Rosa Margarida Souza, filha do ortopedista Osvaldo Souza, à época vice-presidente do Conselho Regional de Medicina. 

Em 25 de agosto de 1987, a Cooperativa se mudava para um imóvel alugado situado à Rua Dom José Thomaz, 358. A época foi frutífera: dobrou-se a carteira de clientes, com 4.200 usuários e novos médicos tornaram-se cooperados, perfazendo um quantitativo de 145 associados. Em abril de 1988, a Unimed mudaria novamente de endereço para um novo imóvel, mais amplo, localizado à Rua de Maruim, 201. Em 1989, o número de usuários Unimed mais que duplicou, terminando o ano com a expressiva marca de 13.300 clientes.

No ano de 1990, Aracaju recebeu representantes de todo o Nordeste para a realização da II Convenção Regional Norte-Nordeste do Sistema Unimed. Apesar das incertezas, a cooperativa segue seu rumo e, em março de 1991, promove mudança de sua sede para a Rua Vila Cristina, 254, próximo ao Colégio Atheneu Sergipense.


No ano de 1996, aconteceram eleições para os conselhos e Diretoria e duas chapas concorreram: pela situação, liderada por Pita, a chapa Consolidar; pela oposição, a chapa Renovar, liderada por Carlos Alberto Mendonça e Lúcio Prado Dias, ambos militantes da Sociedade Médica de Sergipe. Em Assembléia muito concorrida, a situação venceu por apenas 2 votos.

No entanto, dois após, uma AGE, convocada pelo Conselho Fiscal, declarou vagos os cargos de diretoria e designou os cooperados Carlos Alberto Mendonça, Neide Costa Tavares e Antonio Carlos Celestino para comandar temporariamente a cooperativa até uma próxima assembléia, que de fato aconteceu dois meses depois, quando foram eleitos para uma mandato tampão de dois anos os cooperados Carlos Alberto Mendonça, Lucio Antonio Prado Dias e Antonio Carlos Celestino, respectivamente presidente, vice e superintendente.

No ano 2000, a diretoria vigente foi eleita em Assembléia Geral para um mandato regular até 2004, sem inscrições de chapas concorrentes, permanecendo o então ocupante da presidência, Carlos Alberto Mendonça e como diretores os médicos Lucio Dias e Alvimar Moura.

Neste mandato, a Unimed Aracaju mudou de sede - com novos espaços e maior conforto para os clientes - e de nome, alterando a sua razão social para Unimed Sergipe, tornando-se assim a única singular no Sistema a ter abrangência estadual. Este fato, aparentemente simples, serviu de referência para todas as cooperativas médicas e propiciou a abertura de escritórios regionais nas cidades de Estância, Lagarto, Itabaiana e Nossa Senhora da Glória.

Intensificaram-se as ações de Responsabilidade Social, com a criação do Espaço Cultural – Cantinho da Arte, dando a oportunidade a inúmeros artistas da “terra” de mostrarem suas obras e realizações. Em 2004, a Assembléia Geral elegeu para mais um mandato e também sem chapas de oposição a nova diretoria até 2008. Já em 2007, a Unimed Sergipe recebeu da Agência Nacional de Saúde Suplementar o registro definitivo de funcionamento como operadora de Plano de Saúde, sendo a terceira cooperativa do Sistema e a primeira do Norte-Nordeste a receber esta certificação. Ela é hoje líder do mercado de planos de saúde no Estado.

Anualmente a Singular realiza 7 mil atendimentos pré-hospitalares de urgência e emergência em UTI Móvel, 1.500 atendimentos domiciliares e mais de cem mil exames complementares. A cooperativa tem 800 médicos associados, que prestam serviços a uma clientela de 74 mil pessoas. São usuários que têm à disposição profissionais de todas as especialidades médicas e a melhor infra-estrutura médico-hospitalar do Estado.

Ficha Técnica

UnimedSergipe
Clientes 85 mil
Cooperados756
Fundação1984


Galeria dos Presidentes

De 1984 a 1998 – Aílton Pita Falcão
De 1998 a 2008 – Carlos Alberto Barreto Mendonça
De 2008 a 2012 - Adelson Severino Chagas